Médicos também ficam autorizados a declararem “causa indeterminada”.


A pandemia global do novo coronavírus mudou os procedimentos de autópsia no Rio Grande do Norte. Desde março deste ano, o Serviço de Verificação de Óbitos (SVO), responsável pelos exames cadavéricos para determinar as causas das mortes que acontecem no estado, restringiu o atendimento para evitar propagação da Covid-19.
Com a alteração, o SVO passa a receber exclusivamente corpos de morte natural que não tiveram assistência médica. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), a nova medida de segurança é uma recomendação do Ministério da Saúde.
Sem o exame de necrópsia convencional, os médicos patologistas devem declarar uma espécie de autópsia verbal, a partir de análise externa do corpo e entrevista com familiares para determinar a causa aproximada da morte.
Além disso, sob orientação do Ministério da Saúde, o SVO também não está recebendo corpos de pessoas que morreram com a suspeita para Covid-19. Nestes casos, a recomendação é para que seja feita a coleta do material para o teste do coronavírus em até 6 horas após a morte.

Causa indeterminada

Antônio Araújo tinha 34 anos — Foto: Reprodução
Antônio Araújo tinha 34 anos — Foto: Reprodução
Ainda segundo a Sesap, nas mortes “de causa imediata” e de “bases desconhecidas”, os médicos estão autorizados a assinarem declaração de óbito com “causa indeterminada”. A alteração nas diretrizes do SVO por causa da pandemia global da Covid-19 abre um novo gargalo no Rio Grande do Norte: em alguns casos, o óbito pode não ser esclarecido aos familiares.
Drama vivido pela família do pedreiro Antônio Araújo da Silva, de 34 anos, que foi sepultado, na terça-feira (21), sem que a causa da morte fosse especificada. Segundo familiares, Antônio faleceu com sintomas de tuberculose. Ele não foi testado para a Covid-19 e também não foi levado para a necrópsia em razão do novo funcionamento do SVO.
“O médico só colocou na declaração que a morte não tinha causa determinada, só que a gente quer que seja feita a autópsia para saber o que de fato aconteceu. Isso não é justo, é um misto de dor e incerteza”, lamenta Rafaela Cristina Araújo Silva, irmã do pedreiro.
Sobre a situação, a Sesap informou que “infelizmente, em momentos excepcionais como os que estamos vivendo isso deve ocorrer” e que as medidas de segurança no SVO estão sendo adotadas em todo o país. “Esse é um momento muito delicado que estamos passando na verificação de óbitos. Isso é uma orientação nacional. A ideia é que não tenhamos necrópsia nesse período de pandemia porque existe um risco muito grande”, destacou o secretário adjunto de saúde Petrônio Spinelli.
G1-RN

Nenhum comentário:

PUBLICIDADE

Heyy, aproveite agora nosso OUTLET 🔥
Tecnologia do Blogger.