Publicidade topo

Grávida de quadrigêmeos aguarda parto em hospital de referência no RN, mas faltam vagas de UTI neonatal


Quando descobriu que estava grávida de quadrigêmeos, a dona de casa Maria Aldenir Silva sofreu um susto. O marido dela, o servidor público Sérgio Júnior, também. Foram dias de preocupação com a gravidez de risco. Mas o temor se agravou por causa da falta de Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) neonatal que possam ajudar os bebês após o nascimento deles.

O casal mora em São Vicente, na região central potiguar e aguarda o nascimento de três meninas e um menino. Maria está com 28 semanas e cinco dias de gestação. São menos de sete meses, mas os bebês já podem nascer a qualquer momento. Por causa disso, ela está internada desde o dia 22 de março na Maternidade Januário Cicco, em Natal. O hospital é referência no atendimento de grávidas de alto risco, mas está sem vagas nas suas 23 UTI's neonatal.

"Tem que torcer muito para aparecerem as vagas, porque não tem", diz a mãe, preocupada.

Maria Silva e Sérgio Júnior aguardam nascimento de um menino e três meninas, em Natal (Foto: Ediana Miralha/Inter TV Cabugi)
A maternidade diz que já pediu ajuda a outros hospitais que têm UTI Neonatal, mas não há vagas disponíveis. Existe um plano "B" para resolver a situação, caso as vagas não surjam até o nascimento das crianças. "Iremos fechar uma sala cirúrgica e fazer um UTI improvisada", explicou a diretora da maternidade, Maria da Guia.

A Secretaria Estadual de Saúde informou que o estado conta atualmente com 126 leitos de UTI Neonatal, sendo 91 no SUS. Outros dez leitos serão abertos até o fim do mês no Hospital Regional Mariano Coelho, em Currais Novos, na região Seridó potiguar.

G1/RN
Foto: Reprodução
Tecnologia do Blogger.