Publicidade topo

Fábio Dantas mira Robinson e alfineta Fábio Faria no calor da indefinição do apoio do PSDB


O vice-governador Fábio Dantas (PSB) afirmou em Mossoró que o rompimento com o governador Robinson Faria (PSD) se deu após discordar da decisão natural de Robinson em levar adiante a busca pela reeleição, o que considerou um projeto pessoal. Mas aproveitou a oportunidade para alfinetar o deputado federal Fábio Faria (PSD), filho do governador, o apontando como além de uma eminência parda (figura oculta que secretamente detém influência no governo sem ter posição de mando).

“Todo mundo sabe que praticamente 90% das ações do governo hoje são comandadas pelo filho, deputado Fábio Faria, que só aparece no Rio Grande do Norte dessa forma, querendo governar o estado, quando não foi eleito para isso”, alvejou durante uma das entrevistas ao sistema TCM de comunicação nesta quinta-feira, em Mossoró.

As declarações do vice-governador acontecem no calor do recuo do PSDB em apoiá-lo para o governo nas eleições deste ano. Antes alinhados com o governador Robinson Faria, os tucanos passaram a estimular Fabio Dantas a entrar nesse páreo ao perceber aceso o desgaste administrativo do atual governo, entre outras questões de embaraço.

Mas esse pulo de abandono não contava com a integral concordância dos seus principais membros, que entendiam ser melhor permanecer ao lado do governador, a apostar que Fábio Dantas pudesse formatar esse projeto em curto espaço de tempo, conforme confidenciou um parlamentar ao MOSSORÓ AGORA.

E foi exatamente o deputado Fábio Faria o articulador junto ao comando nacional do PSDB em Brasília, da possibilidade de o partido se compor com Robinson.  Isso também reacendeu o foco da divisão interna no PSDB, o que vem sendo discutido de maneira discreta, mas fortemente percebida pelo vice-governador Fábio Dantas, que tem pressa em tentar concretizar sua candidatura, como justificativa plausível dos tucanos ao comando nacional.

As estrelas do PSDB no Rio Grande do Norte têm assegurado que não haverá qualquer tipo de interferência de cima para baixo, em relação a decisão que for tomada pela sigla em nível estadual. A sustentação se dá devido a própria ampliação da agremiação partidária no estado, com a formação da junção de destacadas forças políticas.

Mesmo assim, o que parecia praticamente decidido, agora vem sendo repensado, e o vice-governador Fábio Dantas cada vez mais precisa do seu poder de articulação para mostrar a viabilidade do caminhar ao seu lado. Os tucanos estão divididos e buscam melhor acomodação, principalmente da pesada chapa proporcional.

Gilberto de Sousa
- da Redação
Foto: Marcos Garcia/DeFato
Tecnologia do Blogger.